quarta-feira, 28 de agosto de 2019

Rússia: Coiteense é medalhista de Bronze na maior competição de educação profissional do mundo

Reprodução
O Brasil ficou em 3º lugar geral no ranking total de pontos na 45ª edição da WorldSkills, a maior competição de educação profissional do mundo, realizada em Kazan, na Rússia. A delegação brasileira conquistou medalhas em 13, das 56 ocupações em disputa. Além disso, ganhou certificados de excelência em 28 ocupações. Foram duas medalhas de ouro (Desenho Mecânico em CAD e Manutenção de Veículos Pesados), cinco de prata (Computação em Nuvem, Tecnologia da Moda, Tornearia CNC, Engenharia de Moldes para Polímeros e Cuidados de Saúde e Apoio Social) e seis de bronze (Instalações Elétricas Prediais, Segurança Cibernética, Aplicação de Revestimento Cerâmico, Tecnologia de Laboratório Químico, Mecatrônica e Soldagem). Os resultados foram anunciados nesta terça-feira (27) em uma grande cerimônia em Kazan. A competição reuniu mais de 1.300 jovens de 63 países entre os dias 22 e esta terça-feira (27) Dos 63 brasileiros na disputa, 56 foram treinados pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI) e sete pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (Senac). Uma das medalhistas foi a baiana Daniela dos Santos Carneiro, natural de Conceição do Coité, que levou a medalha de Bronze.
 
O pé está sempre na estrada, mas o foco de Daniela é a WorldSkills

A baiana Daniela dos Santos Carneiro, 22 anos, se considera a “retirante” da delegação brasileira que vai para o mundial de profissões, a WorldSkills, na Rússia. A representante do Brasil em Tecnologia de Laboratório Químico já treinou em cidades e espaços diferentes. A preparação começou no início do ano na própria escola que ela fez o curso de Química, no Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI) de Feira de Santana (BA). Depois, a mudaram para uma unidade móvel, que ficava estacionada em frente à escola. Por fim, a competidora foi transferida para Brasília: ela e a unidade móvel da Bahia ficaram instalados na região administrativa do Guará. No início de maio, Daniela passou a treinar no centro de treinamento do Setor de Indústrias Gráficas (SIG), também na capital federal, espaço que reúne boa parte dos competidores da delegação. Dessa vez, em um laboratório. O pé na estrada esteve presente nos últimos anos da vida dela. Em 2017, a jovem chegou a frequentar quatro cursos em três cidades baianas ao mesmo tempo. Fazia cursos de Inglês e Matemática, em Conceição do Coité; curso técnico de Química no SENAI de Feira de Santana e curso superior, na Universidade Federal da Bahia (UFBA), em Salvador.

reprodução
A determinação e a paixão pela química são os elementos propulsores que impulsionam a Daniela a uma rotina que, para muitos, é impossível. Afinal de Conceição do Coité até Feira de Santana são 130 km e de Feira de Santana a Salvador, mais 115 km. A baiana conta que conquistou uma vaga na UFBA para o curso de Química, mas quando a graduação começou, ela sentiu muitas dificuldades porque não tinha uma base técnica, como alguns colegas de classe, que tinham feito curso técnico integrado ao ensino médio. “Eu pensei: como vou disputar uma vaga com um colega que é técnico, que tem habilidade maior que eu?’ Fui procurar um curso e encontrei o do SENAI de Feira de Santana”. Na ocasião, a competidora preferiu não contar para a mãe sobre a escolha de trancar a faculdade para fazer um curso técnico, mas para surpresa da estudante, a escolha foi apoiada. A solução encontrada pela jovem foi trancar dois semestres e, no restante, pegar poucas disciplinas na universidade.
Fonte: A Voz do Campo

Sem comentários:

Publicar um comentário