segunda-feira, 16 de abril de 2012

Trabalhadores da Arena Fonte Nova decidem continuar paralisação


Os trabalhadores da construção pesada paralisaram as atividades em todos os canteiros de obras da Bahia por tempo indeterminado na manhã desta quinta-feira (12). Por conta da mobilização, estão interrompidas as principais obras do estado, como Arena Fonte Nova, Via Expressa, Via Bahia, Ferrovia Oeste-Leste, Parque Naval,  Linha 1 do metrô, entre outras.

Os principais tópicos da pauta de reivindicação são o reajuste salarial e o recebimento de benefícios como cesta básica, plano de saúde, além do percentual de horas extras, segundo a presidente da Força Sindical da Bahia, Nair Goulart.

De acordo com a sindicalista, a pauta é negociada com o sindicato patronal desde janeiro deste ano, mas a proposta ofertada pelos empreiteiros não foi aceita pelos operários. Por isso, o reajuste, que deveria ser pago em 1° de março deste ano, não pôde ser cumprido. "Qualquer resultado que tiver será retroativo a março", explica. O salário dos trabalhadores varia segundo as funções, porém, uma das propostas é criar um piso salarial horizontalizado entre todas, afirma Nair.

 O Sindicato Nacional da Indústria da Construção Pesada (Sinicon), através do advogado Igor Gomes, relata que foi ofertado um reajuste geral de 10% para todas as funções da categoria para não gerar a greve. "Os principais impasses são a cesta básica, que é um reajuste alto, de R$ 250, que as empresas não podem pagar, e na questão das horas extras do sábado, que eles querem de 100%, mas já damos de 70%. E o reajuste de 10% eles também não aceitaram", relata o advogado.

Segundo ele, o atraso no cronograma com a suspensão das obras pode causar graves prejuízos à sociedade, além de pesar também contra a questão financeira de cada empresa. "Uma paralisação como a da Fonte Nova pode inviabilizar de a Bahia fazer parte da Copa das Confederações, em 2013, e o problema pode ser maior para toda a sociedade", avalia.

Em nota, a Arena Fonte Nova informou que está negociando a pauta de reivindicações dos trabalhadores da Arena com o Sindicato dos Trabalhadores da Construção Pesada e Montagem Industrial do Estado da Bahia (Sintepa).

Do G1,BA 

Sem comentários:

Publicar um comentário